A Loja My Mini Moon utiliza cookies e outras tecnologias para que possa melhorar sua experiência como utilizador. Saiba Mais

Fechar
A importância da música na educação

Sabia que, antes de começarmos a falar, expressamo-nos através da arte? Antes de começarmos a escrever, desenhamos; antes de começarmos a andar, dançamos; e antes de começarmos a falar, cantamos.

Cantar e dançar são efetivamente as primeiras formas de expressão que surgem naturalmente a qualquer criança, independentemente da sua cultura, raça ou religião. A música representa as primeiras ligações entre pais e filhos que se dão através das canções de embalar ou das rimas em tom de brincadeira e é dos instrumentos mais poderosos que temos à nossa disposição para comunicar e demonstrar sentimentos.

Não é por acaso que, quando estamos contentes, assobiamos, estalamos os dedos ou batemos palmas e, quando estamos tristes, confortam-nos outro tipo de sons mais melancólicos.

Por ser tão natural ao ser humano, é importante que se explore ao máximo a sua influência no desenvolvimento infantil. Através da música conseguimos ensinar “um mundo” às crianças e é a música ou, numa primeira fase, a expressão musical, que as tornam conscientes do mundo que as rodeia e de si próprias.

Os benefícios da educação musical infantil são inúmeros e tocam praticamente todas as áreas da nossa vida. Abaixo exploramos os principais e percebemos em que fase da vida têm mais expressão.

 

Benefícios e Interesses musicais por etapas de desenvolvimento:

Ø  Bebés - O bebé começa a ouvir por volta dos 5 meses, ainda na barriga da mãe. É ainda no útero que desenvolve a sua capacidade de reação a estímulos sonoros e é por isso que se aconselha às grávidas que cantem para o seu bebé (para que este comece a reconhecer a sua voz) ou ouvirem música relaxante.

O bebé começa a ganhar noção do sentido rítmico e da repetição dos sons, mesmo quando não consegue perceber o significado, o que lhe possibilita uma aprendizagem mais rápida pela memorização. Ler poesia para um bebé desde pequeno torna mais rápida e eficaz a aquisição da fala e, consequentemente, a aprendizagem de uma língua pela repetição de sons.

 

Ø  Idade Pré-escolar - Até aos 4/ 5 anos, as crianças devem ter formação de expressão musical. Ainda será difícil aprenderem algo específico sobre um instrumento, apesar de já conseguirem expressar as suas preferências. Habitualmente, a bateria e o piano são os que cativam mais a atenção da pequenada.

A expressão musical trata do ensino dos pilares musicais, tal como as notas, o sentido rítmico, o manuseamento de instrumentos mais básicos (maracas, as claves ou o triângulo). É crucial, nesta fase, que as crianças consigam ter presente a noção de ritmo e trabalhá-la para que consigam uma melhor articulação de movimentos e coordenação motora que será a base para todas outras atividades motoras (inclusive a escrita!).

 

Ø  Educação Infantil - A partir dos 6/7 anos, com a escolha de um determinado instrumento, são trabalhadas as competências anteriormente referidas, mais a noção de prática e disciplina. A música tem um papel crucial nestas duas áreas: a criança irá perceber que, se não praticar, não consegue alcançar resultados com um determinado instrumento e que, se não tiver a disciplina de o fazer regularmente, o mais provável é que se esqueça da música / notas musicais. Há também uma aprendizagem de gestão da frustração, uma vez que raramente se consegue tocar bem à primeira.

Estes benefícios vão ser especialmente úteis em contexto académico, uma vez que a capacidade de concentração, a persistência, a disciplina e a prática são essenciais para o sucesso escolar. Não é por acaso que, dos alunos que têm melhor desempenho escolar, muitos têm também formação musical, como se pode perceber aqui.

Importa ainda aqui referir os benefícios ao nível do desenvolvimento cognitivo mais científicos uma vez que, tocar um instrumento ou simplesmente estudar música e ouvi-la de forma recorrente, potencia o desenvolvimento neurológico da criança. Está provado que a música expande os canais neuronais e permite a ligação entre os dois hemisférios.

 

Ø  Adolescência e Idade Adulta – Para além de todos os benefícios mencionados anteriormente e que acompanham, naturalmente, para o resto da vida, a partir de uma certa fase em que as competências básicas estão garantidas, importa trabalhar mais a fundo as competências sociais.

A música tem um papel determinante na integração social de crianças e adolescentes pelo sentido de pertença a um grupo musical. Pode ser o grupo da aula onde aprendem determinado instrumento, o coro de que fazem parte ou a banda que começam com os amigos mais tarde.

Ao estudar música em conjunto, as crianças tornam-se mais comunicativas e trabalham, ainda que inconscientemente, regras de socialização. Tornam-se mais sensíveis e aprendem a respeitar o ritmo, o tempo e a vontade do próximo, bem como a criticar de forma construtiva e a ouvir.

A opção concreta de fazer parte de um coro é das que mais desenvolve competências a nível das relações sociais. A criança sente-se parte de um grupo e começa a desenvolver a sua identidade social e cultural, bem como a trabalhar as regras e valores da sociedade em que se insere.

 

Comece cedo a pensar na educação musical do seu filho e torne a música central no vosso dia-a-dia. Vai ver que o dia começa melhor quando vão juntos a cantar no carro ou a inventar rimas a caminho da escola / trabalho e termina ainda melhor quando acabam com uma cantiga de embalar ou a partilhar uma música nova que faz sorrir!

Comentários (0)

Nenhum comentário até o momento

Carrinho de Compras

Back to shop

Carrinho está Vazio.

 

Experimente pesquisar por tags:

Conta

Sem conta?
Criar Conta
4